Nuvens”, de Arnaldo Saldanha

Mostra de Foto-Filmes Foto em Pauta Ateliê Oriente

Em parceria, Ateliê Oriente e Foto em Pauta, com curadoria de Claudia Tavares, apresentam a Mostra de Foto-Filmes com a exibição de 7 foto-filmes .

Os foto-filmes são exibidos hoje 28 de novembro a partir das 20 horas pela plataforma do Foto em Pauta no YouTube. Clique nesse link e assista a Mostra!

LISTA DE FOTO-FILMES DA MOSTRA

• Partida, Alberto Bitar, 5’05”
• Hotel Savoy, Bella Tozini, 10’50”
• Colateral, Sônia Góes, 4’45”
• Nuvens, Arnaldo Saldanha, 3’08”
• Loess, Marise Maués, 7’56”
• Oração, Nana Moraes, 1’
• Cinema de Livro, Marcos Bonisson, 5’

SINOPSES

PARTIDA (Alberto Bitar, 5’05”)
O ano provável: 1937, a cidade: o Rio de Janeiro. A escolha de 54 pessoas sobre o que deveriam fazer naquele dia os une para sempre, ou pelo menos enquanto durar a imagem.

HOTEL SAVOY (Bella Tozini, 10’50”)
O fotofilme é construído com frames retirados de filmes super 8 dos arquivos pessoais da artista, filmados na cidade de Lodz (Polônia) em 2003-2004. A narrativa é moldada a partir de relatos de poloneses sobreviventes do Holocausto que vieram morar na cidade de São Paulo. A manipulação do tempo das imagens e da repetição dos componentes auditivos leva-nos a uma viagem para um outro tempo e espaço. Os fragmentos de imagens misturam-se com uma fala que guia e molda o desejo de lembrar, de transcender os limites e fronteiras, brincando com a falibilidade da memória. Esse desejo intenso aceita a farsa, a fim de reformular o passado e renovar o sentido do presente.

COLATERAL (Sônia Góes, 4’45”)Imagens de alas desativadas de um hospital ainda em funcionamento. Portas fechadas e corredores escuros vertem para enfermarias vazias e andares inteiros silenciosos, como se atravessássemos um portal para outra dimensão. Um mundo colateral, onde camas enferrujadas e cadeira de rodas travadas, revelam vestígios perenes e acidentais da presença humana.

NUVENS (Arnaldo Saldanha, 3’08”)
O trabalho que surge dentro de um projeto mais específico, assim como em um momento muito pessoal do autor. Uma representação sobre questões humanas, como uma perda, a dor e a solidão. A tentativa é a de transcender e transpassar o tempo. A representação das nuvens age como metáfora sobre as transformações da vida, algo que está fora do nosso controle. A matéria e suas transformações, o movimento, a distância. Estímulos que têm a intenção de provocar uma reflexão sobre dualidade. Uma epifania.

LOESS (Marise Maués, 7’56”)
Uma performance orientada para o vídeo, produzida na ilha ribeirinha de Maracapucu-Miri, município de Abaetetuba, Pará, com a qual a autora guarda laços estreitos de afeto. A ação performática teve a duração de um pouco mais de sete horas ininterruptas, onde Marise posicionou-se sobre uma plataforma no leito de um igarapé, recebendo o fluxo das águas de duas marés: enchente e vazante. Loess pretende instigar a leitura do homem contemporâneo como um ser Loess, ou seja, um ser passível de múltiplas identidades, um ser formado de camadas que se sobrepõem ao longo do tempo. Adentrar em um igarapé e elevar o seu corpo à condição análoga a um sedimento Loess passível à ação de agentes naturais possibilitou a materialização imagética de ter um corpo tecido em camadas que se sobrepunham com o passar das horas pelo depósito de sedimentos carregados pelas águas.

ORAÇÃO (Nana Moraes, 1’)
“Oração” é um pequeno gesto. Breves imagens. Reflexão. Escuta de um tempo. Que logo passa.

CINEMA DE LIVRO (Marcos Bonisson, 5’)
Um trabalho em processo baseado no livro “Arpoador”.

Data:
28 de novembro
Hora:
20:00 – 21:30
Website:
youtube.com/watch?v=6AByPSmyNx8
Crédito da Foto: “Nuvens”, de Arnaldo Saldanha

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *